sábado, 27 de agosto de 2016

Por que as escolas de educação infantil não contratam professores homens?

Resultado de imagem para Men  in childcare      Devido ao preconceito contra profissionais do sexo masculino, muitos homens com formação em pedagogia tem tido dificuldades em conseguir emprego na área considerada mais importante de sua formação, a educação infantil. As novas pesquisas mostram que no Brasil, a cada cinco professores da educação básica, só um é homem.
      Ano passado o site G1 da Globo publicou que pais criticavam contratação de homens nas escolas infantis de Barreto, segundo a reportagem a decisão do governo desagradou alguns pais, que questionavam a segurança das crianças, principalmente das meninas.
     Devido ao preconceito que os homens sofrem na educação básica a maioria dos professores do sexo masculino são encontrados em séries mais avançadas, onde geralmente se exige um professor para cada disciplina. O engraçado que as mesmas escolas que vendem uma metodologia de inovadora e progressista, que defendem uma educação baseada em valores de igualdade e respeito, são as primeiras a incentivar esse preconceito por não darem oportunidade a professores homens na educação infantil.
O Medo do Abuso 
     Muitos pais alegam que seus filhos pequenos estão mais seguros com mulheres, e essa é a justificativa alegada por muitas escolas ao dar preferencia a contratação de mulheres nas entrevistas de emprego. Mas de vez em quando vemos casos de professoras sendo flagradas através de uma câmera escondida (geralmente colocada por pais desconfiados) maltratando os pequenos alunos, as vezes gritando e agindo com violência. No inicio desse ano também vimos um caso de uma professora de creche no Rio de janeiro que aliciava crianças para pedofilia desde 2004. Assim podemos chegar a conclusão que o fato de ser uma mulher não dar essa garantia de 100% de segurança que muitos imaginam, até por que não é o sexo masculino ou feminino que define a qualidade e caráter de um profissional. 
Não é função do professor 
      Um fato que muitos confundem e por isso torna mais difícil ainda vencer esse preconceito é achar que tarefas realizadas por auxiliares e cuidadores são também funções atribuídas a professores, mas a verdade é que não é função do professor dar banho, levar ao banheiro, vestir ou trocar fraldas. E para deixar isso bem claro as principais funções de um professor de educação infantil são participar da elaboração, execução e avaliação da proposta pedagógica da escola, ministrar aulas, aplicar provas ou atividades educativas; zelar pelo desenvolvimento integral das crianças, nos aspectos físico, psicológico e social; organizar e promover formas adequadas para a promoção das atividades de educação; avaliar, observando e registrando o desenvolvimento das crianças. 
     Esclarecer esse simples mau entendido já ajudaria muito, pois o maior medo dos pais é imaginar um homem despindo seus filhos.
A luta contra o preconceito continua
       A verdade é que esse preconceito com os homens na educação de crianças acontece no mundo inteiro, o The Guardiam na matéria Men battle prejudice in childcare (Homens combatem o preconceito ao cuidar de crianças) mostrou que homens que querem trabalhar com as crianças estão sendo retidos por mulheres sexistas, de acordo com um novo relatório. A paternidade em casa tornou-se cada vez mais na moda, graças a modelos como o jogador de futebol David Beckham. Como resultado, um em cada quatro homens agora consideraram um trabalho em uma creche ou como uma "babá" para os filhos dos outros (assista o filme A creche do papai com Eddie Murphy), aumentando para quase quatro em cada 10 entre aqueles que são pais, na esteira da revolução que vem sendo chamada de 'New Dad'. 
     Uma pesquisa britânica para a caridade Daycare Trust, mostrou que 84 por cento dos pais iria deixar um homem cuidar de sua criança, no entanto, 57 por cento ainda relaciona pedófilos como a principal barreira para "childcarers" masculinos, ainda que nenhum homem tenha sido condenado por abuso sexual em uma creche. Mas ainda sete em cada 10 queria cuidadores mais masculinos, babás do sexo masculino estão se tornando cada vez mais popular, especialmente com mães solteiras que querem modelos masculinos para seus filhos. 
      Tudo indica que esse sempre vai ser um assunto polêmico, mas não existe nenhuma lei ou decreto que proíba a contratação de homens na educação infantil. Por isso assim como as mulheres lutaram, e ainda lutam, para vencer barreiras preconceituosas em profissões dominadas por homens, o mesmo ocorre com os homens na educação infantil. "Nós estamos vendo algum tipo de início de uma nova mudança cultural", disse Stephen Burke, diretor do Daycare Trust. "Agora o que precisamos fazer é apoiar ao máximo os homens que querem entrar nesta carreira."

Conheça nossa pagina no Facebook, Clique Aqui CURTIR



7 comentários:

  1. Apesar de bem intencionada, a reportagem traz alguns aspectos contraditório e/ou questionáveis: 1º- Sim, é função do professor de Educação Infantil levar crianças ao banheiro, dar banho, entre outros aspectos de higiene. Na Educação Infantil o binômio "cuidar e educar" são indissociáveis, assim não é só o "famoso" pedagógico que é função do professor, mas todos os aspectos do desenvolvimento integral das crianças. 2ª - Associar a figura do professor com algum integrante da família, nesse caso o pai. Isso é reduzir o trabalho do professor, desconsiderando sua formação e aspecto reflexivo, colocando no mesmo patamar da afetividade familiar. Por fim, sou homem e professor de Educação Infantil, tem 6 anos, passei por diferentes instituições de prestígio e, apesar de algumas vezes, ter enfrentado barreiras, acredito que todos os professores, independente do sexo, devem se mostrar profissionais, reflexivos, politizados e preocupados com a sua formação para assim conseguir seu lugar no mercado de trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Ótimo artigo porém Discordo quando o colega fala que é função do professor da educação infantil dar banho ao aluno e levar ao banheiro. Isso é função da auxiliar de classe, porém a maioria das escolas deixam o professor trabalhar sozinho sem uma auxiliar de classe.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente.
      Fui profesora de educacao infantil e oque a escola passa para a familia é que as auxiliares cuidam da higienizacao das criancas e isso nao acontece. A professora acaba fazendo todo o trabalho sozinha.

      Excluir
    2. Concordo plenamente.
      Fui profesora de educacao infantil e oque a escola passa para a familia é que as auxiliares cuidam da higienizacao das criancas e isso nao acontece. A professora acaba fazendo todo o trabalho sozinha.

      Excluir
  3. Ótimo artigo porém Discordo quando o colega fala que é função do professor da educação infantil dar banho ao aluno e levar ao banheiro. Isso é função da auxiliar de classe, porém a maioria das escolas deixam o professor trabalhar sozinho sem uma auxiliar de classe.

    ResponderExcluir
  4. Pessoalmente tenho procurado vaga na rede, já enviei vários curriculos e tenho recebido vários e-mails de resposta... dizendo que as vagas são exclusivamente para mulheres, apesar de colocarem no anuncio 'Contrata-se Professores', falamos de mudança na educação,porem continuamos com uma visão retrograda.
    continuarei tentando e vou trabalhar na área de minha formação, nem que tenha que criar uma escola...

    ResponderExcluir
  5. Discordo sou professora de creche na cidade de Gr=arça-SP la tem vários professores homens, basta passar no concurso e banho e banheiro e as pajem que cuida da higienização.

    ResponderExcluir