sábado, 23 de abril de 2016

Conheça professor que ficou BILIONÁRIO dando aula.

Sabe aquela velha história de que nenhum professor fica rico? Esqueça!!!
Reprodução

Depois de se formar na Universidade de Sichuan em 2001, Zhang teve sete empregos diferentes, incluindo o de professor, para pagar as taxas para cursar um PhD em ciências humanas na Universidade de Pequim. O tempo dando aulas deu tão certo que ele decidiu iniciar um negócio na área de educação em 2003. Quatro anos depois, o empresário largou o PhD para focar em sua nova companhia, o Grupo de Educação TAL.
Hoje, menos de dez anos depois, a empresa se tornou uma das cinco maiores instituições de educação da China, um mercado que movimenta mais de US$ 100 bilhões ao ano, com 1,5 milhão de estudantes em 24 cidades. A companhia de Zhang expande suas unidades físicas todos os anos, instalando pelo menos duas novas escolas, além de oferecer cursos online e à distância.
Nas escolas do bilionário chinês Zhang Bangxin, as crianças começam os estudos cedo. São alunos de, no máximo, dois anos que frequentam aulas de 90 a 120 minutos de matemática, história, chinês, inglês, entre outras matérias. As lições custam cerca de US$ 20 a hora. Em comparação, um trabalhador chinês ganha, em média, US$ 2 a hora.
O Grupo de Educação TAL tem escolas que atendem até o Ensino Médio e é um dos maiores nomes da educação privada na China. São cerca de 301 unidades espalhadas por todo o país, um número que aumentou 300% em quatro anos, elevando a US$ 434 milhões o valor de mercado do conjunto. Esses números fizeram o estudante de 36 anos, fundador do grupo, entrar na lista de bilionários do país, com US$ 1,5 bilhão. 
A iniciativa por meio da internet começou em janeiro de 2010, com cursos à distância sendo lançados em 2012. Mais tarde, a companhia testou uma experiência de “sala de aula às avessas”, permitindo que os estudantes interagissem pelo computador, em vez de somente assistirem as aulas em formato de vídeo. O grupo também lançou recentemente um aplicativo que permite que os alunos se comuniquem com seus tutores a qualquer hora do dia. “Estamos constantemente trabalhando para expandir as ofertas online”, escreveu Zhang em um comunicado.
Somando-se a isso, as escolas TAL adquiriram em setembro de 2015 a Firstleap Education, uma companhia chinesa que promove tutoriais online para crianças entre 2 e 15 anos. No mês seguinte, a companhia investiu US$ 30 milhões na Phoenix E-Learning, a maior plataforma de educação da China. O último investimento do grupo foi em janeiro deste ano, quando fez uma parceria estratégica com a Knewton, outra firma de educação, com planos para assumir a liderança do mercado tecnológico de ensino. “Nós queremos ver de perto onde a tecnologia encontra a educação”, disse Zhang.
FONTE: http://www.msn.com/pt-br/dinheiro/

0 comentários:

Postar um comentário