Em três dias de testagem, 162 profissionais de educação do AM testam positivo


Em três dias de testagem, 162 profissionais de educação do Amazonas, que voltaram às escolas no dia 10 de agosto, testaram positivo para o novo coronavírus. O Governo do Amazonas começou uma testagem em massa desses profissionais na terça-feira, após protestos da categoria e casos confirmados após o retorno das aulas na rede estadual de ensino.

O Amazonas retomou as aulas presenciais, no dia 10 de agosto, para cerca de 110 mil estudantes do Ensino Médio, que passaram a estudar por meio de ensino híbrido (presencial e online). O estado foi o primeiro do País a adotar a medida. Nesta sexta-feira, o governou decidiu adiar o retorno dos estudantes do ensino fundamental, que estava previsto para segunda-feira, e citou a necessidade de testar mais servidores.

Até esta sexta-feira, o Amazonas tinha mais de 114 mil casos confirmados de Covid-19, com mais de 3,5 mil mortos. O retorno das aulas foi marcado por diversos protestos de professores e estudantes, que pediam a suspensão da medida por conta da pandemia.

De acordo com a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), foram realizados 534 testes rápidos em profissionais de educação de Manaus entre terça-feira (18) e quinta-feira (20). Desse total, 30% foi diagnosticado com Covid-19.

Segundo o órgão, os 162 servidores que testaram positivo para a doença foram afastados para cumprirem o período de isolamento. Ainda segundo o órgão, 139 estavam com IGM e IGG positivos, o que indica que, embora já tenham anticorpos para a Covid-19, o vírus continua ativo.

Retorno das aulas polêmico

No dia 13 deste mês, quatro dias após o retorno das aulas, o governo confirmou que quatro professores testaram positivo para o novo coronavírus. No dia 14, em coletiva de imprensa, foi informado que o número subiu para 8 casos em professores e 2 em alunos.

Diante de protestos da categoria e casos em escolas, o governo anunciou a testagem em massa de 30 mil profissionais da educação, tanto da capital quanto do estado.

Fonte: https://g1.globo.com/am/amazonas


Comentários