domingo, 22 de maio de 2016

Cada vez mais PROFESSORES adoecem com problemas psicológicos associados a estresse, exaustão emocional, depressão, cansaço crônico e frustração.

Salário baixo faz carreira de professor virar opção passageira

Alunos de séries diferentes dividem a mesma sala de aula na Escola Estadual Indígena Itapó, da tribo Karapotó Plak-ô
(Foto: Alunos de séries diferentes dividem a mesma sala de aula na Escola Estadual Indígena Itapó, da tribo Karapotó Plak-ô - CRÉDITO: Arquivo/Jonathan Lins/G1)

No Brasil, a carreira de professor está se tornando uma passagem, um momento de transição para outras funções.  O profissional fica no magistério somente até conseguir um cargo mais bem remunerado e provavelmente menos estressante.
Prova disso é que 25% dos docentes brasileiros têm menos de 30 anos e apenas 12% estão com idade acima de 50, bem diferente do que ocorre em outros países. Aqui, o professor ingressa no magistério ainda jovem, mas em poucos anos, deixa de ver perspectivas.
A baixa remuneração é a gota d’água num contexto desastroso, que combina elementos como superlotação das salas de aula, aumento da indisciplina e do desrespeito pelos mestres, indiferença das famílias e desprestígio social da profissão, falta de estrutura e de recursos nas escolas e o próprio despreparo dos professores para lidar com os desafios educativos de hoje.
Esse quadro tem como primeira consequência o chamado “mal-estar docente”: cada vez mais professores adoecem com problemas psicológicos associados a estresse, exaustão emocional, depressão, cansaço crônico e frustração.
A categoria está entre as mais sensíveis à síndrome de burnout. São profissionais que entram na educação movidos pelo desejo de mudança social e lidam diariamente com o desalinhamento entre o sonho e a impossibilidade de alcançá-lo, entre a impotência diante do sistema de ensino e a cobrança da sociedade.
Por exemplo, no Distrito Federal, só no primeiro semestre de 2014, foram emitidos 16,4 mil atestados médicos para professores da rede pública – o que significa mais da metade dos 32 mil concursados. Esses dados se repetem pelos estados e municípios brasileiros.
A segunda consequência é a perda de talentos, uma vez que muitos dos profissionais acabam aceitando propostas de trabalho em outras áreas.

No Brasil, faltam 150 mil professores em  disciplinas como química, biologia, física e matemática. No total, estima-se que haja carência de 300 a 400 mil professores nas salas de aula. A solução para que os alunos não fiquem sem fazer nada é recorrer a profissionais sem a devida formação. De acordo com o Censo Escolar 2013, o Brasil tem quase meio milhão de professores ativos sem diploma de graduação, o que equivale a 21,9% do total de 2 milhões de docentes.
Esse cenário funciona como barreira de entrada para novos talentos. Uma pesquisa da Fundação Carlos Chagas mostrou que apenas 2% dos jovens brasileiros querem ser professores. É justamente o oposto do que ocorre na Coreia do Sul, país que lidera os rankings da educação, onde a profissão é tão disputada que fica restrita aos jovens que mais se destacam nos estudos. É extremamente preocupante constatar que muitos dos calouros brasileiros que optam pela carreira de professor são aqueles que não teriam chance de cursar o ensino superior em outras áreas.
Por: Andrea Ramal em g1.globo.com



24 comentários:

  1. O problema da educação no Brasil, desde que me conheço como gente, é algo do tipo insolucionável enquanto perdurarem neste país a má vontade do governo e a falta de consciência do povo!
    Enquanto isso seria providencial que esses profissionais da educação, para não perderem a força de seus ideais, pudessem também se conscientizar da necessidade de buscar um auxílio terapêutico psicológico com a finalidade de diminuir este enorme stress causado pela dedicação sem retorno sempre no desempenho de sua missão...
    É o que temos para hoje! Enquanto isso só resta continuar lutando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tenho certeza que muitos gostariam de um apoio psicológico. O problema é que não podem depender do sistema público de saúde e muito menos podem pagar um profissional para isto.

      Excluir
    2. Tenho certeza que muitos gostariam de um apoio psicológico. O problema é que não podem depender do sistema público de saúde e muito menos podem pagar um profissional para isto.

      Excluir
  2. Muito triste. Estou no 6º semestre de Pedagogia e lembro que desde pequena, era o que queria ser.Não por falta de capacidade para me graduar em outra área, mas porque eu acredito que posso sim, fazer a diferença na vida escolar das crianças e jovens desse país. Mesmo com dados alarmantes de desigualdade social.

    ResponderExcluir
  3. Lamento deixar de ensinar (sou formada em Pedagogia - UFC) no Brasil, pela falta de estrutura do sistema de ensino público no qual me identifico para exercer minha profissão. Parabéns a todos que ainda estão nesta luta diária! Cyntia

    ResponderExcluir
  4. Não interessa aos governantes uma população educada e culta. O conhecimento liberta.

    ResponderExcluir
  5. Estou prestes a me aposentar e perdi a esperança de ver professores bem remunerados
    Escolas com estruturas adequadas. E já vejo estagiários na área de Educação desistimulados.Entrei nessa área por que gosto de ensinar. Apesar dos pesares ainda gosto de está em sala de aula.Porém está muito difícil.Educação é algo muito caro requer gastos. E os governantes não querem gastar.Muitos secretários de Educação estão sem atitudes. Pois quem decide o que fazer na Educação São os secretários de Finanças .Hoje o pedagógico se perdeu pata dar lugar a Economia.

    ResponderExcluir
  6. Estou prestes a me aposentar e perdi a esperança de ver professores bem remunerados
    Escolas com estruturas adequadas. E já vejo estagiários na área de Educação desistimulados.Entrei nessa área por que gosto de ensinar. Apesar dos pesares ainda gosto de está em sala de aula.Porém está muito difícil.Educação é algo muito caro requer gastos. E os governantes não querem gastar.Muitos secretários de Educação estão sem atitudes. Pois quem decide o que fazer na Educação São os secretários de Finanças .Hoje o pedagógico se perdeu pata dar lugar a Economia.

    ResponderExcluir
  7. Sou formada no antigo magistério,fiz pedagogia e sinceramente...eu desisti da profissão ,pois trabalhamos mais que deveria,porque alem de trabalhar na escola,levamos serviços pra casa,e não termina,e pior não somos
    valorizadas.Por isto estou formando em outra faculdade pra sair fora..Digo a quem quer ser professor,procura outra coisa se não quiser passar raiva com o salário,e a desvalorização.

    ResponderExcluir
  8. Eu escolhi ser professor. Tenho orgulho por ser professor. Não tenho interesse em mudar de profissão mesmo com os baixos salários. Tenho os melhores alunos; não tenho problema com indisciplina em sala e acredito que muitos das vezes a indisciplina em sala é culpa nossa, professores, por não usar corretamente o tempo pedagógico. Eles não tendo o que produzir ou aprender em sala, sentindo-se desocupado usam o tempo para fazer atividades não educativas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O fund I é possível pq trabalhamos com esperança é às crianças ainda possui mas, Tds sabem que muitas delas vão desenvolvendo sentimento de fracasso, aos poucos vai se instalando a exclusão. Creio que os profs de fund I tem realizado o melhor de si mas, há fatores que dificultam a aprendizagem é dependem de investentos nas famílias, em valores humanos... Bem, o fato que na adolescência, além da crise natural da idade, o narcisismo desta fase, e o sentimento mais apurado de que a escola não lhes atenderam em suas necessidades... Bem, não sou especialista nos motivos, apenas reflito sobre os mesmos... algo acontece que torna o trabalho no fund 2 algo como um não acontecer, uma frustração, uma inconclusao... não somos psicólogos para tratar tantos desajustes e ansiedades que emergem como facas sobre nós

      Excluir
    2. Laércio Genuíno, você deve ser um desses professores que deixou a sala de aula que você tanto "amava" para assumir um cargo de coordenado/diretor e agora têm solução para problemas de sala de aula. Você é só mais um daqueles que fogem da sala de aula para depois dar uma de competente para problemas nunca resolveu! È só mais um!

      Excluir
    3. Parabéns Nonato! Certamente esse Laércio é mais um pago para exercer uma função gratificada, fora de sala de aula, com o intuito de robustecer o sistema opressor em cima do professores. Ele afirma não ter problema de indisciplina em sala. Sério mesmo?? Você dá aulas para as fezes que saem de sua boca, meu bem?

      Excluir
  9. Sou aposentada e minha formação acadêmica pedagoga, mas atualmente não estou sala aula..tenho esperança de um dia, espero que não demore governantes. ..professor , caminho para todas as outras profissões. Aos sessenta quatro anos, vovó de quatro meninos lindos 6,5,4 e 8 meses..Quero acreditarque só através da educação nossas crianças serão adultos e cidadãos do bem e pessoas melhores tudo...

    ResponderExcluir
  10. Maurício é meu filho e tbem professor Educação Fisica,Eu Leia Tde Farias Petry..tenho sonhos bons p crianças. ..

    ResponderExcluir
  11. Prof fund II... Insuportável (desrespeito, violência, palavrões, muito barulho gritos, depredação...)
    > Risco de colapso proeminente!
    O cáos piora ano após ano. Agora o gov nega readaptações a profs que adoeceram devido a esta situação, que é uma frente de batalha, sim!!! 35 adolescentes/sala. Hj não é a fome física que prejudica a aprendizagem, é a moral, a impunidade, as drogas, o abandono, a ausência dos pais... os valores deturpados... Sujeira pra todo lado, nas comunidades, crack, álcool, violência... Tds sabem, alguns estão protegidos em condomínios, outros fecham ouvidos, desconsiderando os fatos.
    O que querem? que um professor salve td isto? É muito fácil acusar ? Muito fácil delegar, abandonar, Tds vão colher os espinhos no futuro, Tds são responsáveis

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Maria Rita, você tirou a palavras da minha boca,ou seja, você escreveu o que eu também concordo e falo para toda a minha comunidade, tão carente de desprotegida quanto a sua. Quando entro em sala de aula e vejo a situação daquelas crianças, uma sala lotada, sem nenhum recurso, nem material nem emocional.Como você sozinha pode auxiliar um aluno em uma sala com 34 crianças??? Sinceramente gostaria que me mostrassem, pois, ainda não consegui esse feito. Então, fico imaginando o que o futuro reservará para elas. Hoje em dia com tanto descaso em relação as pessoas mais carentes.Os nossos governantes enchem o peito para falar de não sei quantos alunos atendidos, por esta ou aquela instituição, porém não explicam como estão sendo atendidos. Só convivendo numa escola para observar o que fazemos para deixar uma escola mais digna, e infelizmente nem sempre conseguimos. Eles preferem fechar os olhos e jogar a culpa em nós, como se fossemos os culpados pela sociedade que ai está. Porém a situação de nossa sociedade esta cada vez mais caótica. Essas pessoas podem se fechar em seus condomínios, andar em seus carros blindados,enquanto isso, a violência que está eclodindo aprende todos os dias a derrubar qualquer amarras.

      Excluir
  12. Ao senhor Laercio dizer que a falta de disciplina em sala de aula é do professor é o cúmulo do absurdo porque a falta de educação vem de casa. Os pais e mães precisam dar limites a seus filhos e filhas, ensinar eles a respeitar as pessoas a tratar elas bem da mesma forma que gostariam de ser tratados e garanto que todos querem ser em tratados. E realmente este seu pensamento vem de gente que saiu de sala de aula, assumiu cargo fora de sala e agora vem querer mostrar serviço para as Cres e jogar a culpa no professor como se este fosse o próprio Jesus Cristo que veio salvar o mundo! É muito peso! E ainda ter que ouvir isso de "colega" de profissão é pior ainda porque este pensamento é o mesmo do nosso governo que nada faz para melhorar a educação e ainda culpa os professores.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo! É muito fácil afirmar que a culpa é sempre do professor!

      Excluir
  13. Ao senhor Laercio dizer que a falta de disciplina em sala de aula é do professor é o cúmulo do absurdo porque a falta de educação vem de casa. Os pais e mães precisam dar limites a seus filhos e filhas, ensinar eles a respeitar as pessoas a tratar elas bem da mesma forma que gostariam de ser tratados e garanto que todos querem ser em tratados. E realmente este seu pensamento vem de gente que saiu de sala de aula, assumiu cargo fora de sala e agora vem querer mostrar serviço para as Cres e jogar a culpa no professor como se este fosse o próprio Jesus Cristo que veio salvar o mundo! É muito peso! E ainda ter que ouvir isso de "colega" de profissão é pior ainda porque este pensamento é o mesmo do nosso governo que nada faz para melhorar a educação e ainda culpa os professores.

    ResponderExcluir
  14. Eu já já Caio fora. São 28 anos de desvalorização... Cansada de tanta escravidão e mentiras!!!

    ResponderExcluir
  15. Absurdo, nao eh so aqui no Brasil que professores sao agredidos!!! Veja essa noticia: http://www.tabo.com.br/2154055/aluno-agride-professor-que-o-repreendeu-por-chegar-atrasado-em-aula-nos-eua-veja-o-video/

    ResponderExcluir