Seleção para Agente Educacional com salário de R$ 2.123,56

Dobradinha! Diego Hypolito e Arthur Nory brilham e Brasil conquista a prata e o bronze no solo da ginástica artística

Um filme certamente passou pela cabeça de Diego Hypolito. Depois de duas quedas em Olimpíadas, o experiente ginasta superou os fantasmas e conquistou a inédita, histórica e tão sonhada medalha olímpica. O brasileiro fez uma apresentação à beira da perfeição, deixou o gigante Uchimura no chinelo e subiu ao pódio como o segundo melhor do solo nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, cidade que adotou como sua casa.
Para completar a festa, o estreante Arthur Nory completou o pódio, com a medalha de bronze.
A prata vem como uma redenção para Diego Hypolito. Bicampeão mundial no aparelho, em Melbourne-2005 e Stuttgart-2007, o brasileiro nunca conseguiu render o mesmo em Olimpíada e ficou marcado por não ter psicológico forte na hora do 'vamos ver'
Em sua estreia na competição, em Pequim-2008, obteve 15.950 pontos e classificou-se na primeira posição. Na final, no entanto, sofreu uma queda e terminou em sexto. Em Londres-2012, Diego reviveu o pesadelo: também caiu, cravou apenas 13.766 pontos e nem foi à final.
Praticamente fora da Olimpíada do Rio alguns meses antes da competição, ele focou no objetivo de ir aos Jogos. Com os resultados nos treinos e a necessidade de a equipe brasileira de ter um especialista no solo, acabou conquistado a sonhada vaga. Ele mesmo chegou a dizer que achava que não teria um lugar na seleção, desta vez.
Agora, a redenção. Diego entrou no tablado com 6.800 na dificuldade do exercício + 8.733 na execução. Sem erros, saiu de cena sem penalidade, com nora 15.533 e muito cotado a uma medalha. Aí restou a ele assistir aos rivais que ainda faltam se apresentar. A cada nota que saia, a ansiedade aumentava. Mas ao final, foi só comemorar a medalha inédita e histórica.
Fonte: Espn (http://espn.uol.com.br/noticia/)


Comentários